A cirurgia bariátrica e o controle das doenças associadas
Resgatando a saúde e a qualidade de vida
home blog A cirurgia bariátrica e o controle das doenças associadas

A obesidade por si só é uma doença grave, bastante preocupante que não costuma vir sozinha. É muito comum que outras doenças sérias como hipertensão arterial, diabetes, apneia do sono, problemas emocionais e sociais, surjam em consequência do sobrepeso.

O que agrava o fato é a dificuldade em revertê-lo. Quanto maior for o sobrepeso maior é a resistência do organismo às mudanças; as atividades físicas ficam mais difíceis e penosas; a auto-estima fica abalada; as questões emocionais frequentemente são compensadas na comida; e muitas vezes os tratamentos não são bem-sucedidos, por uma série de razões diferentes.

A obesidade não tem cura, fato. Mas é muito importante ressaltar que ela tem controle e que há muitas alternativas para isso. O fundamental é não deixar de procurar ajuda médica.

Como em outras áreas da medicina, a obesidade já tem sido tratada de forma multiprofissional. Isso significa que o paciente não terá apenas o acompanhamento de um especialista, mas de diversos, como: endocrinologistas, nutricionistas, psicólogos, cardiologistas, pneumologistas, educadores físicos, fisioterapeutas, etc. Tudo para que ele tenha um atendimento completo que lhe dê suporte em todos os aspectos que a obesidade afeta.

   De acordo com estudos, o primeiro e principal tratamento que sempre se deve pensar é a prevenção. Desde a educação alimentar e incentivo da prática de exercícios a nossas crianças, como também como recomendação à população adulta que não tem sobrepeso, mas que está exposta aos mesmos riscos da vida moderna.

Quando a prevenção falhou e o sobrepeso já existe, é preciso iniciar um tratamento clínico precoce, com orientação médica, evitando-se dietas da moda que muitas vezes só agravam a situação. A cirurgia bariátrica é uma excelente ferramenta para quem tem obesidade grave e não obteve sucesso após mais de dois anos de tratamento clínico, e que, geralmente, já desenvolveu doenças associadas à obesidade.

Mas, não basta operar, é preciso mudar os hábitos de vida, para alcançar a meta de perda de peso e não voltar a engordar com o passar do tempo. O ponto facilitador é que com o emagrecimento, que a cirurgia proporciona, a disposição para a prática de exercícios aumenta e o ânimo em seguir a dieta, bem como, a autoestima também são maiores.

Além disso, as doenças associadas geralmente são controladas. Mas não se pode deixar de lado a disciplina e o acompanhamento clínico, pois isso fará toda a diferença no resultado do tratamento.

Para o cirurgião do aparelho digestivo Paulo Nassif, que coordena uma equipe multiprofissional de tratamento da obesidade: “O maior sucesso do tratamento é justamente resgatar a saúde - com o controle das doenças associadas - a vontade de viver e a autoestima de pessoas que já sofreram muito com a obesidade e suas consequências.”


compartilhe em suas redes sociais
Faça seu Agendamento Faça seu Agendamento